Feminino equivocado – ou, “De como eu me achava masculina!”

image

Neste feriado de Carnaval, recebemos no Retiro Tao Tien um grupo muito dinâmico e interessante de homens e mulheres interessados em se investigar sob a lupa do masculino e do feminino sagrados.

Embora eu talvez possa dizer que todos foram de alguma forma tocados pela vivência que fizemos lá, aproveito o espaço aqui no blog para mencionar um tema que me chamou particularmente a atenção, pois apareceu para quase metade das mulheres participantes e pelo menos um dos homens: a noção (ou o “pré-conceito”) de que a sua essência sexual era polarizada no outro gênero. Ou seja, estas mulheres chegaram ao workshop com a certeza de que suas essências eram completamente masculinas, ao passo que um dos homens tinha certeza de que era “muito feminino”. (Note que isso não tem nada a ver com a orientação sexual destas pessoas, que eram heterossexuais em todos estes casos.)

Começo pelas mulheres, já que o foco da coluna de hoje é o feminino. Ao longo dos quatro dias de trabalho, foi lindo observar cada uma delas entrando em contato com sua essência e se descobrindo absolutamente femininas, em alguns casos extremamente femininas, na “ponta” da escala de polaridade que vai do feminino extremo ao masculino extremo, com um ponto “neutro” no centro. Mas não foi esse o ponto principal. A questão central foi a surpresa de todas elas ao se descobrirem femininas e, em alguns casos, muito femininas.

Refletindo sobre o tema em uma das sessões, nos demos conta de que parte dessa surpresa decorre de um mal entendido básico acerca da natureza essencial do feminino. Praticamente todas estas mulheres compartilhavam uma visão comum do feminino como algo “frágil”, “indefeso”, “inferior”, e, assim, rejeitavam a possibilidade de serem elas mesmas reduzidas a isso. Sem dúvida, essa opinião comum a mulheres com diferentes experiências de vida e que não se conheciam fala muito sobre a educação e um certo ethos do brasileiro na sua relação com o feminino.

Infelizmente, vivemos em um país de 1º estágio, no qual o condicionamento social ainda é tal que o homem é educado como ser superior e treinado a tratar a mulher como objeto de seu prazer através de milhares de horas de “Show da Xuxa”, “Programa do Faustão” e Valescas Popozudas que abundam nos meios de comunicação de massa, bombardeando nossas crianças desde a mais tenra idade com imagens absolutamente inadequadas de precoce sensualização.

Na vida adulta, a superexposição do corpo – especialmente o feminino – e a exagerada valorização de um certo tipo de beleza – que, para desespero das mulheres que ansiosamente o perseguem, muda ao sabor dos ditames dos czares da moda – impõem uma frustração generalizada nas mulheres (e, em menor grau, nos homens), que fazem de tudo para se aproximar do tal “padrão”, sem contudo jamais chegarem lá. Talvez seja essa dupla combinação de sensualização precoce com superexposição de um certo padrão de corpo feminino que torna o Brasil um dos campeões mundiais de cirurgias plásticas. Infeliz estatística.

Em um mundo desses, não é de se estranhar que as mulheres acabem por se distanciar e mesmo rejeitar esse feminino que foi “ensinado” aos meninos e meninas desde tenra idade, identificando-se assim – erroneamente – com o masculino, ou com aquilo que acreditam ser o masculino, em si mesmas. “Sempre me achei masculina”, “gosto de fazer coisa de homem, tomar cerveja com as amigas no bar”, “sempre soube o que quis fazer e vou atrás dos meus objetivos”, foram algumas das frases mencionadas no final de semana por estas mulheres, como exemplos de sua “masculinidade”.

No entanto, confrontadas com uma visão mais profunda e generosa do feminino, segundo a qual o feminino é a própria energia da vida, aquilo que move a natureza, o clima, os humores, as mudanças de textura de cada ambiente, variando e mudando de forma a cada instante, enfim, com um feminino entendido como a própria energia do Universo, ilimitada, todas estas mulheres puderam experimentar – talvez pela primeira vez – o prazer de relaxar neste feminino amplo, ilimitado, impossível de ser contido, forte e suave ao mesmo tempo, e puderam permitir que seus corpos se movessem a partir desta energia interior recém descoberta. Assim, identificaram corretamente sua essência sexual como feminina, e não mais como erroneamente masculina, como acreditavam inicialmente.

Os “efeitos colaterais” dessa descoberta foram visíveis: risos, lágrimas, expressões faciais mais suaves, percepção de estarem mais presentes em seus próprios corpos, sensação do corpo mais aberto e relaxado, de modo que todas “brilhavam” já no meio do andamento dos trabalhos. Incrível o resultado que a simples apresentação do feminino sob um conceito mais correto e generoso de suas qualidades, aliada a e apoiada por um conjunto simples de práticas de respiração e outras práticas físicas, provocou em todas as mulheres que frequentaram este workshop de Carnaval. Um presente único para cada uma delas, bem como para os homens que testemunharam o processo.

Para encerrar, vale mencionar também a experiência de um dos homens ali presentes. Caso típico de criação com pai (= figura masculina) ausente, ele se percebia – erroneamente – como “muito feminino” e ficou extremamente surpreso ao ouvir o feedback das mulheres do grupo, que, em consenso, afirmaram perceber sua essência bastante masculina, inclusive com o depoimento de sua amiga de infância que o acompanhou ao workshop, afirmando que “sempre se sentiu ‘segura’ ao lado dele, por causa de sua presença masculina”. Essa já era minha opinião na entrevista de seleção para o grupo, mas sempre o impacto é muito maior de ouvir isso de todas as mulheres participantes.

Enfim, muito aprendizado em um curto espaço de tempo. Agora, meus votos de que cada uma delas (e deles!) se mova no mundo a partir desta nova realização.

Aho!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s