Marcado: essência sexual

Feminino equivocado – ou, “De como eu me achava masculina!”

image

Neste feriado de Carnaval, recebemos no Retiro Tao Tien um grupo muito dinâmico e interessante de homens e mulheres interessados em se investigar sob a lupa do masculino e do feminino sagrados.

Embora eu talvez possa dizer que todos foram de alguma forma tocados pela vivência que fizemos lá, aproveito o espaço aqui no blog para mencionar um tema que me chamou particularmente a atenção, pois apareceu para quase metade das mulheres participantes e pelo menos um dos homens: a noção (ou o “pré-conceito”) de que a sua essência sexual era polarizada no outro gênero. Ou seja, estas mulheres chegaram ao workshop com a certeza de que suas essências eram completamente masculinas, ao passo que um dos homens tinha certeza de que era “muito feminino”. (Note que isso não tem nada a ver com a orientação sexual destas pessoas, que eram heterossexuais em todos estes casos.)

Começo pelas mulheres, já que o foco da coluna de hoje é o feminino. Ao longo dos quatro dias de trabalho, foi lindo observar cada uma delas entrando em contato com sua essência e se descobrindo absolutamente femininas, em alguns casos extremamente femininas, na “ponta” da escala de polaridade que vai do feminino extremo ao masculino extremo, com um ponto “neutro” no centro. Mas não foi esse o ponto principal. A questão central foi a surpresa de todas elas ao se descobrirem femininas e, em alguns casos, muito femininas.

Refletindo sobre o tema em uma das sessões, nos demos conta de que parte dessa surpresa decorre de um mal entendido básico acerca da natureza essencial do feminino. Praticamente todas estas mulheres compartilhavam uma visão comum do feminino como algo “frágil”, “indefeso”, “inferior”, e, assim, rejeitavam a possibilidade de serem elas mesmas reduzidas a isso. Sem dúvida, essa opinião comum a mulheres com diferentes experiências de vida e que não se conheciam fala muito sobre a educação e um certo ethos do brasileiro na sua relação com o feminino.

Infelizmente, vivemos em um país de 1º estágio, no qual o condicionamento social ainda é tal que o homem é educado como ser superior e treinado a tratar a mulher como objeto de seu prazer através de milhares de horas de “Show da Xuxa”, “Programa do Faustão” e Valescas Popozudas que abundam nos meios de comunicação de massa, bombardeando nossas crianças desde a mais tenra idade com imagens absolutamente inadequadas de precoce sensualização.

Na vida adulta, a superexposição do corpo – especialmente o feminino – e a exagerada valorização de um certo tipo de beleza – que, para desespero das mulheres que ansiosamente o perseguem, muda ao sabor dos ditames dos czares da moda – impõem uma frustração generalizada nas mulheres (e, em menor grau, nos homens), que fazem de tudo para se aproximar do tal “padrão”, sem contudo jamais chegarem lá. Talvez seja essa dupla combinação de sensualização precoce com superexposição de um certo padrão de corpo feminino que torna o Brasil um dos campeões mundiais de cirurgias plásticas. Infeliz estatística.

Em um mundo desses, não é de se estranhar que as mulheres acabem por se distanciar e mesmo rejeitar esse feminino que foi “ensinado” aos meninos e meninas desde tenra idade, identificando-se assim – erroneamente – com o masculino, ou com aquilo que acreditam ser o masculino, em si mesmas. “Sempre me achei masculina”, “gosto de fazer coisa de homem, tomar cerveja com as amigas no bar”, “sempre soube o que quis fazer e vou atrás dos meus objetivos”, foram algumas das frases mencionadas no final de semana por estas mulheres, como exemplos de sua “masculinidade”.

No entanto, confrontadas com uma visão mais profunda e generosa do feminino, segundo a qual o feminino é a própria energia da vida, aquilo que move a natureza, o clima, os humores, as mudanças de textura de cada ambiente, variando e mudando de forma a cada instante, enfim, com um feminino entendido como a própria energia do Universo, ilimitada, todas estas mulheres puderam experimentar – talvez pela primeira vez – o prazer de relaxar neste feminino amplo, ilimitado, impossível de ser contido, forte e suave ao mesmo tempo, e puderam permitir que seus corpos se movessem a partir desta energia interior recém descoberta. Assim, identificaram corretamente sua essência sexual como feminina, e não mais como erroneamente masculina, como acreditavam inicialmente.

Os “efeitos colaterais” dessa descoberta foram visíveis: risos, lágrimas, expressões faciais mais suaves, percepção de estarem mais presentes em seus próprios corpos, sensação do corpo mais aberto e relaxado, de modo que todas “brilhavam” já no meio do andamento dos trabalhos. Incrível o resultado que a simples apresentação do feminino sob um conceito mais correto e generoso de suas qualidades, aliada a e apoiada por um conjunto simples de práticas de respiração e outras práticas físicas, provocou em todas as mulheres que frequentaram este workshop de Carnaval. Um presente único para cada uma delas, bem como para os homens que testemunharam o processo.

Para encerrar, vale mencionar também a experiência de um dos homens ali presentes. Caso típico de criação com pai (= figura masculina) ausente, ele se percebia – erroneamente – como “muito feminino” e ficou extremamente surpreso ao ouvir o feedback das mulheres do grupo, que, em consenso, afirmaram perceber sua essência bastante masculina, inclusive com o depoimento de sua amiga de infância que o acompanhou ao workshop, afirmando que “sempre se sentiu ‘segura’ ao lado dele, por causa de sua presença masculina”. Essa já era minha opinião na entrevista de seleção para o grupo, mas sempre o impacto é muito maior de ouvir isso de todas as mulheres participantes.

Enfim, muito aprendizado em um curto espaço de tempo. Agora, meus votos de que cada uma delas (e deles!) se mova no mundo a partir desta nova realização.

Aho!

O 3º Estágio

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/290/69236614/files/2014/12/img_0103.jpg

Na penúltima coluna (21/12/2014), explorei os dados de uma pesquisa recente, que permitia concluir pela posição “machista” tanto de homens quanto de mulheres jovens no Brasil. Chamei a isso de sociedade de “1º estágio”, tipificada na relação íntima por uma situação de dependência emocional entre o homem e a mulher, na qual cada um se vê como “propriedade” do outro. E abordei também o que seria um “2º estágio”, quando já aparece uma maior (ou completa!) igualdade de fato e de direito entre os gêneros.

Países em desenvolvimento – e notadamente a nossa cultura “latina” – são tipicamente países de 1º estágio, ao passo que sociedades mais maduras – como a Escandinávia, talvez o único exemplo mundial (!) – apresentam características de 2º estágio. Nessas sociedades, embora tenha havido significativo avanço com relação à co-dependência que caracteriza o estágio anterior, surge o efeito colateral indesejável da “despolarização” das relações, na medida em que o homem se suaviza (e perde a espinha no processo) e a mulher endurece (e perde a luz e o brilho divinos).

Prometi a saída: a terceira possibilidade, ou “3º estágio”. O que vem a ser isso? Vamos por partes.

Cada estágio corresponde a um certo nível de maturidade individual. No 1º estágio, a preocupação central sou “eu” e “minhas necessidades”. Isso inclui as necessidades materiais (sobrevivência), emocionais (carência) e mentais (aquilo que eu quero, ou acho que necessito). Nas relações sociais, corresponde ao estereótipo da relação de propriedade entre homem e mulher: “você é minha!” e “não posso ser feliz sem você!” são as frases-estereótipo deste estágio.

À medida que amadurece, o indivíduo passa para o 2º estágio, onde já reconhece que existe “pelo menos um outro”, e as relações passam a se dar de forma mais equilibrada entre “o que eu quero” x “o que nós queremos”. Socialmente, o 2º estágio pode ser representado pela “religião do equilíbrio”, em que todas as diferenças (inclusive sadias) entre gêneros são sacrificadas no altar da igualdade. Eu digo “eu te amo” e espero que você responda da mesma forma. Eu dou um passo em sua direção e espero que você também dê um passo na minha. É uma situação de “barganha permanente”: cada um ‘negocia’ um pouco de sua liberdade em troca de mais intimidade, passo a passo. E, ao mesmo tempo, cada um sabe que pode cuidar muito bem de si mesmo, sem necessitar do outro.

O 3º estágio, muito mais sutil, tem a ver com aqueles raros momentos em que reconhecemos que não há separação ou diferença entre “eu” e “os outros”, ou “o resto do mundo” – aqueles raros estados de integração com o todo e com tudo à nossa volta, que em geral se atinge em meditação profunda, ou mesmo espontaneamente, nos quais a identificação com o ego se dissolve e resta apenas uma percepção consciente de si e de tudo o mais ao redor. Os momentos de 3º estágio tendem a ocorrer cada vez mais, na medida direta de sua maturidade espiritual. E, na relação a dois, o 3º estágio se caracteriza pela entrega absoluta, sem “barganha” ou “condições” estabelecidas de parte a parte, simplesmente porque você não tem opção: você sabe, porque já experienciou isso repetidas vezes, que a alternativa à entrega é fechar-se em si mesmo, o que é sempre mais doloroso. Assim, uma relação vivida em 3º estágio se parece, externamente, com uma paixão desenfreada – típica de 1º estágio, quando as coisas ainda estão “polarizadas” –, embora seja pautada por um nível de compreensão muito mais maduro e elevado, incomparável com as limitações de co-dependência do 1º estágio. É amar “de mãos abertas”, dando liberdade absoluta ao parceiro.

Então, como diferenciar os estágios numa relação a dois? Vamos imaginar uma cena, contada a partir da perspectiva do homem – o mesmo exemplo poderia ser revertido para oferecer a perspectiva de ação da mulher no 3º estágio.

Você chega do trabalho, onde passou o dia estressado discutindo acordos comerciais complexos com clientes insuportáveis. Entra em casa e se depara com o que lhe parece a manifestação do caos na terra: as crianças fazendo guerra de almofadas na sala com a TV ligada a mil, o cachorro sujando tudo e sua esposa exausta, com o jantar atrasado e frustrada por não ter conseguido ainda o tempo para se arrumar para o compromisso de hoje à noite na casa dos vizinhos.

No 1º estágio, você cumprimenta burocraticamente sua mulher, pega uma cerveja, dá um esporro nas crianças para que tomem banho e senta em frente à TV para assistir ao esporte/noticiário e “esvaziar” a tensão do dia na bebida. Tudo isso enquanto ela finaliza a janta, cuida da louça e tenta se arrumar minimamente para o compromisso no vizinho, o que obviamente parece ser impossível de alcançar, dado o avançado da hora.

No 2º estágio, você reconhece que ela está tendo um dia tão estressante quanto o seu, lhe dá um abraço e pergunta: “estou vendo que as coisas aqui estão complicadas; como posso ajudar?”. Vocês chegam a um acordo sobre a divisão de tarefas e você vai “fazer a sua parte” do acordo, botando as crianças para tomar banho, enquanto ela finaliza o jantar. Depois você ajuda com a louça para que ela tenha tempo de se arrumar para que vocês saiam com o menor atraso possível para o compromisso com os vizinhos.

No 3º estágio, você chega em casa e, percebendo a situação, conclui que algo precisa ser feito imediatamente: aquela “tempestade” exige um hábil timoneiro, capaz de guiar a família com segurança para longe do potencial “desastre” que se anuncia no caos doméstico. Você surpreende a esposa e afasta-a do fogão, dando-lhe um longo beijo e uma pegada de saudade em sua bunda, dizendo que pare tudo e vá se arrumar, que você cuidas crianças. Enquanto bota elas no chuveiro, pede um tele-entrega de burgers e chama a babá que mora perto e já cuidou das crianças no passado. Liga para o vizinho e cancela o jantar, pois você e ela precisam de um “quality time” juntos. A babá chega, você sai pra jantar com sua esposa no restaurante preferido dela e, ao voltarem, fazem amor loucamente como nos “velhos e bons tempos”.

A compreensão do 3º estágio é o que permite essa re-polarização da relação: você não mais se comporta de acordo com aquilo que seria a sua necessidade (1º estágio), nem mesmo tenta buscar o equilíbrio no empenho de ambos para a solução da situação (2º estágio). Na verdade, você tem a capacidade de sentir a situação como um todo e agir com base naquilo que a sua intuição lhe informa como sendo o melhor para toda a comunidade (nesta cena, toda a família!).

O movimento do 2º para o 3º estágio exige a integração consciente da sombra em cada um: sem a consciência dos aspectos ocultos de sua psiquê, não há possibilidade de crescimento e aprofundamento além do estágio de serem apenas “bons parceiros”, ou “irmãos” na relação, os quase-sócios no business de criação e sustento de uma família. Tanto o homem (ou o parceiro com essência sexual masculina) quanto a mulher (ou a parceira com essência sexual feminina) precisam desenvolver uma prática individual que permita: (1) entrar em contato com a sombra em cada um, (2) dar forma e expressão a estes elementos ocultos/sombrios, (3) permitir a expressão plena e consciente da sombra na forma de energia escura (dark energy) durante a relação sexual e (4) integrar essa expressão e energia profundas no seu cotidiano.

Como uma nota de encerramento, vale lembrar que as definições acima são absolutamente esquemáticas e têm apenas o propósito de orientar não uma discussão conceitual sobre filosofia e espiritualidade, mas sim a tradução destas manifestações de energia vital na sua prática meditativa, independentemente da corrente filosófica/espiritual de sua preferência.

E, como já disse em outra coluna, cada indivíduo se encontra necessariamente em um nível absolutamente único de maturidade e, portanto, recomendações de práticas meditativas devem ser feitas caso a caso, de acordo com aquilo que é válido para o seu caso.

Não há remédio ou técnica universais.

O Masculino e o Feminino em Você

Image(imagem: Tiffani Gyatso)

Como a intenção deste espaço é a “exploração do sagrado masculino e do sagrado feminino”, é importante dedicarmos pelo menos um pouco de tempo aos conceitos de masculino e feminino que usarei por aqui. 

A abordagem que vou adotar não é invenção minha, nem surgiu out of the blue. É baseada em conceitos muito antigos, com raízes em tradições como o Ayurveda e as origens do taoísmo e do tantra. 

Nós vamos convencionar como “masculino”, tudo aquilo que em você não muda, ou seja, aquilo que é permanente. Ou seja, o que é essa “coisa” que te permite acordar de manhã e não levar um susto ao se olhar no espelho, ou que te permite afirmar pensamentos do tipo “quando eu tinha oito anos, fiz isso-e-aquilo…” ? Faça esse exercício e reflita sobre aquilo que em você não muda, que te acompanha da infância à velhice e à sua morte. A isso, nós chamaremos de “masculino”. 

O “feminino” é TUDO O MAIS: tudo aquilo que muda em você, desde a sua aparência física, até as suas mudanças de humor, as qualidades de sua energia, sentimentos, sensações, percepções, o clima, as cores, cheiros e sabores que preenchem o seu dia. Tudo o que acontece, a própria VIDA desabrochando, isso é o “feminino”. 

Na Ayurveda, a fonte de toda a existência é a Consciência Cósmica universal, que se manifesta no mundo nas formas da energia masculina e feminina. “Purusha”, associado ao masculino, é a pura consciência, sem forma, passiva, além de causa-e-efeito, além de espaço e tempo, que não participa da criação, mas é a testemunha silenciosa dela. “Prakriti”, a energia feminina, é o reino da ação consciente no mundo, tem forma, cor e características, sendo a própria dança divina da criação. Todos nós somos filhotes do útero de Prakriti, a Mãe Divina. Toda a natureza vem dela. Além disso, tanto Purusha quanto Prakriti são eternos, “fora da roda do tempo”, incomensuráveis, e estão presentes em tudo e todas as coisas, incluindo-se os homens, as mulheres, todos os seres vivos e mesmo objetos inanimados. 

Assim, sempre que eu me referir ao “masculino”, estarei fazendo referência àquilo que em você não muda, à testemunha, à plena consciência observadora; e, quando falar do “feminino”, a referência é a tudo o mais em você: humores, sabores, cores, tempo, clima, energias, etc. De forma simplificada, podemos dizer que o masculino é o “reino da consciência” e o feminino é o “reino da energia ou luz”. E o Universo como o conhecemos é o resultado da foda cósmica entre Purusha, o amante, o masculino, e Prakriti, a amada, o feminino; entre os princípios ativos do masculino e do feminino, do encontro entre consciência e luz. 

Desse modo, cada momento que emerge em seu campo de atenção é uma representação instantânea desse “Big-Bang” da criação, que se repete indefinidamente, momento a momento. A sua capacidade de perceber a natureza real de cada instante como uma “micro-representação” desta foda cósmica é uma demonstração da sua maturidade espiritual. 

As práticas meditativas também podem assim ser classificadas em duas “macro-categorias”: como práticas que estimulam, alimentam e desenvolvem o masculino, ou aquelas voltadas para desenvolver o feminino. Essencialmente, práticas baseadas em uma postura imóvel, com o foco no silêncio e na observação da respiração — o estereótipo de “meditação” para os leigos — podem ser chamadas, nesse contexto, de práticas “masculinas”; por outro lado, práticas baseadas em movimentos sagrados, danças devocionais, ou meditações dinâmicas, cujo foco é o despertar e a circulação da energia vital, podem ser chamadas de práticas “femininas”. 

A partir dessa diferença fundamental entre práticas masculinas e femininas, podemos também observar que cada uma delas busca um ideal diferente: o masculino busca o vazio, o silêncio; o feminino busca a sensação de plenitude da energia, o sentimento de estar “cheio de vida”. 

Por razões históricas, a virtual exclusão das mulheres e a predominância de homens em mosteiros e círculos religiosos em geral acabou por deixar como legado uma certa perversão espiritual que associa meditação ao estereótipo do sujeito sentado em silêncio e despreza tudo o mais como nonsense. Chamo isso de “perversão” propositadamente, pois é resultado simplesmente de um prolongado período de repressão do feminino, que vai desde o século III ou IV B.C. até a ascensão do feminismo, na segunda metade do século XX. 

Hoje, há uma abertura muito maior para a exploração destes aspectos da presença alerta e consciente (masculino) e do fluxo desimpedido de energia vital e luz (feminino) em cada um de nós e, assim, a tarefa do “buscador moderno” consiste em integrar esses aspectos dentro de si mesmo, através da combinação inteligente de práticas que estimulem cada um destes “pólos” do nosso ser. O objetivo desta integração é adquirir fluência em ambos os aspectos de Purusha e Prakriti e, assim, ser capaz de uma ação equilibrada no mundo. 

No entanto, não há “receita de bolo” nem “técnica universal” que funcione para todo mundo. Isso seria tão estúpido quanto receitar laxante pra quem já está com diarréia. Para cada um, uma prática customizada, calibrada para o seu momento específico de vida e seus desafios atuais, é a única “receita” possível. Além disso, outro aspecto a considerar na definição de sua prática específica, individual, é a sua essência sexual: indivíduos com uma essência sexual mais masculina (homens ou mulheres!) terão maior identificação com as práticas masculinas e vice-versa para homens ou mulheres cuja essência for mais feminina. Isso será tema de uma próxima coluna. 

O crescimento e o amadurecimento pessoal dependem portanto deste equilíbrio entre os aspectos do masculino e do feminino dentro de você. Experimente! E boa sorte!